Você está aqui: Página Inicial > Notícias > 2008 > Arrecadação ultrapassa R$ 600 bilhões em 2007 e bate novo recorde
conteúdo

noticias

Arrecadação ultrapassa R$ 600 bilhões em 2007 e bate novo recorde

Mesmo descontada CPMF, arrecadação subiu R$ 24,1 billhões no ano passado. Crescimento real da arrecadação contra 2006 foi de 11%.
publicado: 17/01/2008 16h12, última modificação: 11/11/2010 12h18

A arrecadação de impostos e contribuições federais, o que inclui também as receitas do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), além das "demais receitas" (concessão e "royalties" de petróleo, entre outros), bateu novo recorde no ano passado ao totalizar R$ 602,7 bilhões, segundo dados divulgados nesta quinta-feira (17) pela Receita Federal. Contra 2006, o crescimento real, isto é, descontada a inflação, foi de expressivos 11,09%. Em seu último ano de vigência, a Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF) arrecadou R$ 37,2 bilhões. Descotados esses recursos, ainda segundo informações da Receita Federal, a arrecadação teria crescido R$ 24,1 bilhões. Os números já foram todos corrigidos pela inflação, metodologia considerada mais correta pela Receita Federal.

Fatores

A Receita Federal avaliou que o crescimento da arrecadação no ano passado se deve, principalmente, a fatores relacionados com o crescimento da economia brasileira e ao trabalho de fiscais do órgão no combate à sonegação fiscal. A Receita cita ainda os processos de abertura de capital pelas empresas na bolsa de valores, que somaram R$ 55,8 bilhões em 2007, contra R$ 15,4 bilhões no ano anterior o que também contribuiu para elevar a arrecadação. Sobre as ações da Receita Federal, o órgão informou que houve um crescimento de 30% na arrecadação relativa a multas e juros, além da elevação de 80% no número de empresas fiscalizadas e de 42% no crédito tributário lançado em 2007.

Imposto de Renda

O Imposto de Renda Pessoa Física (IRPF) apresentou forte crescimento real de 54% em 2007, para R$ 13,9 bilhões, contra R$ 9 bilhões no ano anterior. O órgão informou que essa elevação decorre, principalmente, dos ganhos de capital na alienação de bens, dos ganhos com operações em bolsas de valores, assim como a intensificação do controle sobre operações imobiliárias. No caso das empresas, o IR recolhido pela Receita Federal também teve elevação em 2007. Neste caso, o crescimento real foi de 20,6%, para R$ . "O desempenho decorreu principalmente da lucratividade de setores econômicos relevantes", informou o órgão, citando o aumento de 46% nos lucros das 220 maiores empresas listadas na Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa).

                                                               

FONTE: PORTAL G1 - 17/01/2008